Politica Externa em 3 minutos e 23 segundos

 

SBT Brasil

03/01/2019

 

Transcrição (3:43-7:06)

Carlos Nascimento – A Rússia enviou outro dia aviões militares e despachou também soldados para treinar militares venezuelanos. Fala-se até na possibilidade de implantação de uma base militar russa na Venezuela. Isso provocou ou provocará mudanças na fronteira brasileira?

Jair Bolsonaro – Olha o mundo está de olho na Amazônia não é de hoje. Quando se fala nessa coisa de clima, Eco 24, Eco 25, certas medidas propostas para nós aqui e que as pessoas me criticam porque eu critico essas medidas, essa questão do clima, que você não tem como atingir. Se reserva para nós o reflorestamento de uma área que, se você, Carlos, contratar 100 mil pessoas, até 2030, você não vai conseguir reflorestar o que eles querem. E as primeiras medidas contra você são políticas, depois econômicas, talvez, depois, de força. Então nós temos preocupação no tocante a isso. A Rússia, sim, fez uma manobra na Venezuela. Nós sabemos qual a intenção do governo Maduro, da ditadura do Maduro, e o Brasil tem que se preocupar. Ao longo dos últimos 20 ou 25 anos, as nossas Forças Armadas foram abandonadas. . .por uma questão do quê? Política! Nós das FsAs somos o último obstáculo para o socialismo. O dia que quebrar nossa coluna vertebral, eles impõem aqui o regime de exceção aqui dentro como o Chávez fez lá: quebrou a coluna das forças armadas, o coronel que não gritasse “viva Chávez!” não saía general e, hoje, tem um número absurdo de generais lá. Então, conseguiu impor um regime de força dessa maneira, corrompendo, subornando e tirando o moral das forças armadas. Tentaram fazer conosco isso. Dilma Rousseff, por exemplo, em Quito, em 2014, uma das decisões que ela tomou lá era criar no Brasil uma real academia de defesa, ou seja, para que todos na América do Sul, nós do Brasil também, nossos coronéis passassem por essa academia para poder, então, depois de uma pesada doutrinação ou imposições, promover quem bem entendesse ao cargo de general. Essa é uma grande preocupação que nós temos. A aproximação minha com os Estados Unidos é uma questão econômica, mas pode ser bélica também. Nós podemos fazer acordo voltado para essa questão para nós aqui no Brasil. Nós não queremos aqui ter um superpoder na América do Sul. Não. Mas devemos ter, no meu entender, a supremacia.

Carlos Nascimento– Isso incluiria a possibilidade de uma base militar americana no Brasil?

Jair Bolsonaro– Olha, questão física, pode ser até simbólica. Hoje em dia, o poderio das forças armadas americanas, chinesas e soviéticas alcança o mundo todo independente de base. Agora, de acordo com o que puder vir a acontecer no mundo, quem sabe você tenha que discutir essa questão no futuro.

Carlos Nascimento– Quando é que o senhor vai encontrar com o presidente Donald Trump? O senhor vai lá primeiro e ele virá aqui depois? É isso que ficou acertado com o secretário?

Jair Bolsonaro– Eu reconheço a minha posição, não é? Sabemos que o presidente Trump é o homem mais poderoso do mundo. Gostaria muito que ele nos visitasse, mas já sinalizei a Mike Pompeo, em março, gostaria de visitar os Estados Unidos e ter uma conversa com Donald Trump. Em princípio, isso aí está pré-acertado.