Situação Internacional

 

João da Silveira

 

Captura de Tela 2018-07-15 às 23.03.28

 

Seg. 16 – RUSSOFOBIA E DONALD TRUMP : Tim Black pergunta: Por que Trump não odeia a Rússia? Por que ele não abraça a russofobia? O Departamento de Justiça indiciou 12 agentes de inteligência russos, senadores deputados democratas pediram que Trump suspendesse a cúpula, e gente da própria equipe de Trump mostra medo da agressão russa presumida. Todos parecem russofóbicos, menos Trump, problema de sua administração. . . Os professores Stephen Cohen e John Mersheimer, dois experts da política externa americana, acham que a russofobia é que realmente ameaça os Estados Unidos, não a Rússia. E a russofobia é doença autóctone. É a grande república culpada e paranoica se comportando como uma republiqueta miserável. . . Enquanto isso e como que aproveitando a oportunidade, Harry J. Kazianis publica no The American Conservative artigo sobre uma vindoura aliança entre Estados Unidos e Rússia, contra a China, com o argumento de que um poder emergente, como a China, que desafia a ordem internacional, pode transformar inimigos jurados (Estados Unidos e Rússia) em companheiros de alcova. De fato, o arrazoado de Kazianis é especioso ou ingênuo. A “ordem internacional” como ele escreve é qualquer ordem. A China não está todavia a desafiar uma ordem qualquer, mas a Ordem Americana. Nesse aspecto, a Rússia é desafiante tão ou mais forte que a China, com quem já se alia por sinal. . .

A CÚPULA TRUMP-PUTIN EM ANDAMENTO : Vídeo das falas, vídeo da entrevista conjunta e  SouthFront com vídeo RT. . . No lugar do conluio entre Donald Trump e Moscou, Putin passa a informação na conferência conjunta de que o conluio de fato houve com Hillary Clinton, que teria recebido de Moscou 400 milhões de dólares [400 mil dólares, segundo correção] para sua campanha presidencial. Essa informação seria “bombástica” se a grande mídia (main stream media) a divulgasse, mas a grande mídia a ignora completamente. A grande mídia ignora tudo que prejudica Hillary Clinton. Então Trump está em guerra verbal com o establishment e sua mídia. Gilbert Doctorow vê na figura de Donald Trump uma continuidade notável de pensamento e estratégia por trás do estardalhaço e das contradições que usa para desarmar e confundir seus oponentes. . .

 

Ter. 17– A RUSSOFOBIA COSPE SEU VITRÍOLO, i.e., VENENO : Uma longa barragem do NYTimes: Começa com Julie Hirschfeld Davis e com algum equilíbrio, “Trump não disse afinal se acredita nos serviços de inteligência americanos ou em Putin sobre a interferência russa nas eleições americanas”. Eu vi a entrevista e ouvi Trump dizer, claramente, que acreditava ou confiava nas agências de inteligência americanas. Ocorre que elas se voltaram contra ele próprio no caso do conluio e ele, como alvo das agências, defende-se dizendo que não houve conluio. Nisso ele conta com o apoio de Putin, que também diz não ter havido conluio. E eu acho que os dois estão corretos. Aquelas agências afinal de contas não são unívocas nem infalíveis… O desequilíbrio explode com Mark Landler, “Ao invés de defender a América dos que a ameaçavam, ele (Trump) atacou seus cidadãos e instituições enquanto louvava o líder de um poder hostil.” A Rússia é hostil por esse conto. Para Landler, portanto, é a segurança da América que está em jogo e Trump atacou seus cidadãos e sua instituições… Em Thomas L. Friedman, que acha que o mundo é chato, “A recusa do presidente em condenar os ataques russos é uma traição a todo cidadão Americano”. Para Friedman, a Rússia atacou e Trump traiu. Vitriólico, não?… Andrew Higgins e Steven Erlanger, “O Presidente Vladimir V. Putin da Rússia conseguiu o que mais queria desse encontro com o Presidente Trump: a afirmação americana do seu status de poder global.” Quanta bobagem! Quanto pique!… Sheril Gay Stolberg, Nicholas Fandos e Thomas Kaplan, “Nenhum congressista republicano prometeu todavia qualquer ação para punir o Presidente Trump, como segurar suas indicações, submetê-lo a interrogatórios e a fiscalizações”. Claro que não. A maioria expressiva dos eleitores republicanos e do Partido Republicano está com Trump… Michelle Goldberg, “Talvez o presidente seja exatamente tão comprometido quanto parece”. Pois é, não existem provas forenses, só aparências aparentes… Por fim o Editorial Board do NYTimes: “O presidente deitou-se aos pé de Vladimir Putin”. . . Temos aqui também alguns artigos do New Yorker pra mudar um pouco o tom : Masha Gessen entende que Trump e Putin mentiram em Helsinki, criando uma sensação de irrealidade, com a diferença de que Putin articulou-se melhor que Trump desde o início. Masha não atina para o fato de que políticos falam performativamente, i.e., eles fazem ou tentam fazer coisas pronunciando palavras, tweets, declarações, discursos. Acontece que falar performativamente não é a mesma coisa que mentir e tudo vai depender da disposição do ouvinte. Para Masha, que tem um disposição hostil tanto para com Trump como para com Putim, eles simplesmente mentiram… Já Joshua Yaffa acha que Putin ganhou fácil. Acha que Trump entregou tudo que ele queria e ainda mais alguma coisa. E o que é que Putin queria? Ele buscava “manter o status quo sobre assuntos que incluíam a Síria, a Ucrânia e o controle armamentista”. É um argumento estranho, improvável, visto que o status quo nesses assuntos é muito desconfortável para a Rússia. Terá Putin realmente buscado manter um status quo desconfortável? Que tolo, ele! Não?… Por fim, John Kassidy argumenta que, ao afastar-se da Europa Ocidental e aproximar-se de Vladimir Putin, o Presidente confirmou os piores medos dos aliados da América. Mas como assim? Trump não tinha acabado de trumpar os aliados da América antes de ir ter-se com Putin? E a Europa não ficou lá plena de incertezas e temores contraditórios? Piores medos, mas quê medos? Medos de quem? Dos russos ou dos americanos ou de ambos? Angela Merkel até já balbuciou algo assim como “temos que cuidar da nossa própria defesa”. . .

DONAL TRUMP E O ESTADO PROFUNDO : Srđa Trifković oferece sua teoria ou visão do tratamento trúmpico, por choque e espanto (shock and awe), que está sendo dado ao Estado Profundo. Anotamos ontem que Doctorow viu na figura de Donald Trump uma continuidade notável de pensamento e estratégia por trás do estardalhaço e das contradições que usa para desarmar e confundir seus oponentes. Segundo Trifković, esse tratamento acontece ou por inteligência do senhor Trump ou por instinto também do senhor Trump. Pelo alerta de Eisenhower em 1961 contra o que agora se chama Estado Profundo, pelos golpes de Estado contra Kennedy em 1963 e contra Nixon em 1974, pelo êxito (fugaz, diga-se) de Ronald Reagan em 1987, pelo peso dessa memória histórica, o temerário Trump sabe ou intui a melhor forma de lidar com o perigoso Estado Profundo e sobreviver: é choque e espanto para desarmar e confundir. Por aí segue a teoria ou visão do impronunciável Srđa (acho que pronuncia-se Sérdja), que também assina seus textos afrancesadamente como Serge Trifkovic, pronunciável. . . Donald Trump nós conhecemos, nós o vemos, nós o ouvimos, ainda que não o compreendemos. E o Estado Profundo o que é? Nós não o conhecemos, não o vemos, não o ouvimos, apenas percebemos que existe, que está lá. O Estado Profundo é o governo real dos Estados Unidos, governo real que não é reconhecido, nem ouvido, nem visto, nem constitucional. O governante-que-vemos, Trump, está em choque com esse governo-que-não-vemos e está sendo chamado por esse governo-que-não-vemos de traidor. Daí a questão do momento: será Trump traidor porque faz guerra (ataca) ao Estado Profundo? Bill Bonner responde essa questão da seguinte maneira. Primeiro ele observa que o Estado Profundo tem três agendas ou facetas: a da guerra, a do bem-estar e a da polícia e espiões. Depois observa que na agenda da guerra Trump aumentou o orçamento em 700 milhões de dólares, na agenda do bem-estar não fez cortes significativos, e na agenda policial não freou ainda nenhuma das 17 agências de espionagem regulares. Por essas evidências, Trump não está fazendo guerra ao Estado Profundo. Trump segue com as três agendas dele, que seguem. E pelo que veremos amanhã, é o Estado Profundo que ataca e faz guerra a Trump. . .

UMA REAÇÃO BRASILEIRA A DONALD TRUMP : Joel Pinheiro da Fonseca, “Com Donald Trump, a ordem global americana corre o risco de falir”. Ora…ora seu Joel! A Ordem Americana está falida há décadas. Está falida desde 1971, quando o presidente Richard Nixon teve que abandonar o padrão ouro. Você lembra disso? É óbvio que falir não é a mesma coisa que cair ou desmoronar. Um grande império, o maior dos impérios, não vai cair assim da noite pro dia. Seu Joel intui a falência, mas não a enxerga como já sendo antiga. Ele a intui como possibilidade próxima e está pronto para lançar a culpa a Donald Trump. Seu Joel parece certo porque a cada administração as coisas atingem novos clímaxes com a cara do regime da hora. A cara do regime atual é a de Trump. Trump será o culpado. Fácil assim, mas temos que ter também visão de longo prazo. . .

UNIÃO EUROPEIA & JAPÃO : Acordo Comercial: Líderes da União Europeia estão em Tóquio a assinar o maior acordo de livre comércio jamais visto, removendo tarifas para impulsionar o crescimento econômico e a criação de empregos. . .

A GUERRA NA SÍRIA : Pacificação: o foco está deixando de ser o conflito em si, suas baixas e deslocamentos e passando a ser a reconciliação, o reassentamento e a reconstrução. . .

CHINA & ESTADOS UNIDOS : Usos do BLOCKCHAIN para desbloquear a inovação tecnológica e para combater o trambique, as fraudes e spams das fake News. . .

 

Qua. 18 – ESTADO PROFUNDO ATACA TRUMP : Bill Bonner: Segunda parte do artigo de ontem. Não é Trump que ataca o Estado Profundo. É o Estado Profundo que atacou e ataca Trump. . .

A CÚPULA TRUMP-PUTIN & ISRAEL : Quem é que tem mais influência sobre a Casa Branca? A Rússia ou Israel. Philip Weiss argumenta que a cúpula mostrou ser Israel o mais influente, disparado. . .

 

Qui. 19 – PACIFICAÇÃO NA SÍRIA : O Conselho Democrático Sírio (CDS), braço político das Forças Democráticas Sírias (FDS) compostas em grande parte pelos curdos e apoiadas pela coalizão natóica, vai abrir escritórios nas províncias de Homs, Hama, Latakia e na capital Damascus, em busca de normalidade nas relações com o governo central, segundo SouthFront. . .

GUERRA COMERCIAL COM A CHINA : Carta aberta de David P. Goldman a Larry Kudlow, cheia de gráficos expressivos, dizendo-lhe que ele está velho, que ele está perdido e muito mal informado, que ele precisa de outra estratégia. São observações que valem também para o Brasil, que está sofrendo com a decadência do Ocidente, na dependência do Ocidente, este Brasil velho de Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer. . .

RÚSSIA : SOBERANA E PROTEGIDA DAS TEMPESTADES FINANCEIRAS : soberania e proteção são Promessas de Vladimir V. Putin e Arkady Savitsky mostra como estão sendo realizadas com as vantagens do baixo endividamento externo e de grandes reservas em ouro. . .

FEDERAÇÃO RUSSA : Repertório da Situação por Patrick Armstrong: O Encontro, Bill Browder, Nicolau II, Bonds do Tesouro Americano, Ponte Kerch, Copa do Mundo, Respeito e Confiança no Oriente Médio, Otan Trumpada, Cortando o Nó Górdio, América-Histérica, Síndrome de Transtorno Trumputin, Problemas Com a Narrativa, Ucrânia, História são os assuntos do senhor ex-embaixador do Canadá na Rússia neste Repertório. . .

GUERRA NA SÍRIA : Recuperação e manutenção da equipagem bélica : SouthFront conta a experiência do capitão Ilnar Safiullin. . .

SEDIÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS : O alto escalão prepara um golpe de Estado contra Trump, segundo o economista Paul Craig Roberts. . .

 

Sex. 20 – TRÊS ERROS DO BANCO CENTRAL AMERICANO : Segundo Bill Bonner: 1. Manter a taxa de juros muito baixa por tempo demasiado; 3. Subir a taxa quando a inflação repica; 3. Baixar de novo a taxa por tempo demasiado. Nada vai segurar o que está por vir. . .

 

Sáb. 21 – RUSSIAGATE : Feito não de fatos mas de pura titica, de acordo com o exasperado economista Paul Craig Roberts. . .

 

Dom. 22 – MILITARES BRASILEIROS : Primeiro na eleição e num golpe de Estado depois : É assim que Ernesto Lodoño e Manuela Andreoni escrevem a história do futuro próximo no Brasil. . .