O Capital e o Fim do Capitalismo

 

João da Silveira

06/12/2016

 

Apenas por essa resenha de Martin Wolf do livro de Wolfgang Streeck, How will capitalism end, fico com a desconfiança de que Streeck confunde o fim do Império Americano com o fim do capitalismo. A expressão “fim do capitalismo” é um clichê. O livro aparentemente está cheio de clichês. O livro tem discussões interessantes, como a discussão das várias crises pelas quais tem passado o capitalismo. Mas o capitalismo per se nada mais é que uma ideologia. (O socialismo, por sinal, é outra ideologia, outro clichê.) E como tal ela simplesmente desaparece tão logo deixamos de falar em capitalismo e passamos a falar em capital, pois o capital, diferentemente da sua ideologia já sobrecarregada de clichês, é outro nome para civilização. Acumular capital é civilizar-se. Destruir capital é descivilizar-se. Europa e Estados Unidos estão saturados de capital e estamos vendo a acumulação de capital marchar em grande escala para outras regiões do mundo, para a China, para o Sudeste Asiático, para a Índia, para a Rússia e para o Irã. A grande questão do momento não está, portanto, no fim do capitalismo, mas no fim do Império Americano. A grande e real discussão está em conter o imperialismo americano sem cair em desatinos e destruição de capital, sem cair na destruição da própria civilização. Como o capitalismo acabará é blá-blá-blá.