LUIZ GUILHERME GERBELLI – O ESTADO DE S.PAULO

20 Dezembro 2015 | 03h 00

Problema deve se agravar após 2ª perda de grau de investimento, que também afeta os investimentos produtivos e o crescimento

Os efeitos da perda do selo de bom pagador pelo Brasil por duas agências de classificação de risco devem se prolongar ao longo dos anos. Agora rebaixado para a categoria de grau especulativo, o País vê como mais difícil uma recuperação da credibilidade no mercado internacional.

A sequência da perda do grau de investimento pelas agências Standard and Poor’s (S&P) e Fitch afeta a economia brasileira em diversas frentes. A decisão traz uma piora nas expectativas com o aumento do risco de a terceira agência, a Moody’s, também tirar o selo de bom pagador do Brasil; o fluxo dos investimentos no País tende a diminuir; e a vida das empresas vai ficar mais difícil.

 

 

“O crescimento brasileiro já seria mais baixo, mas o rebaixamento do País é mais uma restrição para a economia sair do buraco”, afirma José Roberto Mendonça de Barros, sócio da consultoria MB Associados e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda.

O rebaixamento da nota brasileira promovido pelas agências de risco apenas chancelou o mau humor da economia mundial com o País. Desde julho, por exemplo, as empresas brasileiras e instituições financeiras não fizeram nenhuma emissão no exterior.

Os dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostram que as captações no exterior somaram apenas US$ 8,059 bilhões entre janeiro e novembro. No mesmo período do ano passado, foram US$ 45,485 bilhões captados pelas companhias.

“Se as empresas e o governo brasileiro desejam fazer alguma captação externa, elas têm de saber que o seu nível de risco considerado é de um país junk (lixo)”, afirma Silvio Campos Neto, economista da Tendências Consultoria Integrada.

 

 

Em agosto, depois de a equipe econômica apresentar um orçamento deficitário para este ano, num cenário de deterioração fiscal, o risco País começou a subir com mais firmeza. Era um claro sinal de que a perda do grau de investimento estava próxima.

Atualmente, o CDS (Credit Default Swap, um espécie de seguro contra o calote de um País) de 5 anos está rondando no patamar de 450 pontos, um nível que não é nem compatível com o atual rating do País. Como comparação, o patamar do CDS brasileiro está bem acima do colombiano (250 pontos).

Poço.“Entre as economias relevantes, poucas têm um prêmio de risco nesse patamar”, diz Campos Neto. “Pode até haver exagero na alta do CDS, mas o mercado lida com a incerteza porque ninguém sabe o nosso fundo do poço”, afirma.

Na sexta-feira, quando a presidente Dilma Rousseff anunciou a substituição de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no cargo de ministro da Fazenda, o mercado financeiro voltou a dar sinais de desconfiança com os rumos do País e com o ajuste fiscal em curso – o dólar fechou a R$ 3,96, no maior valor desde 30 de setembro.

A queda de patamar da economia brasileira também vai se refletir no menor ingresso de recursos no País. Um relatório do banco Santander mostra que somente o investimento direto estrangeiro deve recuar para a casa dos US$ 50 bilhões, abaixo dos US$ 73 bilhões de média apurada desde 2008 – quando o País foi considerado o grau de investimento pelas agências.

Boa parte dos fundos de pensão, por exemplo, só investem em países cujo grau de investimento é concedido por no mínimo duas agências.

A entrada de investimento é fundamental para a economia brasileira. O Brasil é um País de baixa poupança interna e, portanto, depende da poupança externa – ou seja, dos recursos internacionais – para conseguir um crescimento econômico razoável. “Um acesso mais restrito ao capital externo restringe o investimento e o crescimento econômico”, diz Tatiana Pinheiro, economista do Santander.

Para o banco, com a redução esperada para o investimento, o Produto Interno Bruto (PIB) potencial do País ficou limitado a 2% ao ano no médio prazo.

Ver original