Braexits?

 

João da Silveira

07/07/2016

 

Êxodos estão na moda. Êxodos simbólicos, significativos. O Brasil também tem necessidade de se retirar disso ou disso, os nossos Braexits. Eu acho que o Brasil precisa e deve sair do Mercosul. Já Rakesh Krishnan Simha, jovem analista indiano baseado na Nova Zelândia, está preocupado com a saída do Brasil dos BRICS. Simha pergunta se o governo Temer vai tirar o Brasil dos BRICS, se vai derrubar o muro dos BRICS. BRICS wall? Sim, wall, muro.

A resposta poderá ser sim e poderá ser não. Simha não afirma nem que sim nem que não, mas está visivelmente preocupado com o sim. Simha cita Oliver Stuenkel, professor assistente de relações internacionais na Fundação Getúlio Vargas, autor de livros sobre os BRICS e as economias emergentes.

Stuenkel disse mesmo que “muitos analistas brasileiros” acham que é hora de o Brasil sair dos BRICS, não citou nomes, mas disse também que trata-se de gente mal informada (misguided). Suenkel não recomenda que o Brasil saia.

Quanto a Michel Temer, é pertinente notar que sua primeira viagem ao exterior uma vez concluído o impeachment de Dilma, segundo a Folha, será para o C dos BRICS, o C de China. Essa informação contraria frontalmente as expectativas de Simha. . .

Eu sou analista também. Eu quero que o Brasil deixe o Mercosul. Não quero que o Brasil se afaste dos BRICS. Quero que o Brasil seja parceiro eficaz dos BRICS. Só não acho que os BRICS sejam realmente um muro, como disse Simha.

Aliás, o acrônimo BRIC, mais tarde BRICS (com o acréscimo da África do Sul) foi cunhado em 2001 pelo economista Jim O’Neil, chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs. Economista inglês e grupo financeiro dos Estados Unidos, note-se. Ou seja, a teoria dos BRICS não nasceu dos BRICS. Simha deve saber disso.

Não nasceu dos, mas o acrônimo BRIC fez grande sucesso nos países correspondentes. Jim O’Neil argumentou que, por estarem em rápido desenvolvimento, esses países iriam superar as economias mais ricas do mundo atual por volta do ano 2050. Pense: um economista inglês dizendo que a economia dos Estados Unidos será ultrapassada, quer coisa mais promissora?! Mas será que será?

Em 2009, os BRIC começaram a realizar cúpulas anuais e, em 2010, formalizaram o grupo BRICS (com o acréscimo da África do Sul) numa espécie de clube político ou aliança, que não chega a ser nem um bloco econômico nem uma associação formal de comércio, mas que tem a clara intenção de transformar o maior poder econômico de cada país em maior influência geopolítica.

Agora, o que aconteceu com o desenvolvimento do Brasil de 2011 para cá?

Aconteceu que o governo Dilma, com toda a sua corrupção e suas magias, derrubou o Brasil, derrubou o B dos BRICS. E aí chega Simha atrasado na festa, tentando atribuir a Michel o que Dilma já fez de fato. Michel Temer não vai tirar o Brasil. O que sinto é que Michel Temer vai, isso sim, reaprumar o Brasil nos BRICS, acertando a economia brasileira.