Mês: agosto 2017

O Projeto (9)

Contra a Unipolaridade   João E. da Silveira 07/08/2017   Os Estados Unidos, a propósito, enveredaram pela trilha unipolar como já vimos, convencidos da sua superioridade, da sua excepcionalidade, da sua modalidade exemplar. Superioridade, excepcionalidade e bonitezas mil lhes davam a prerrogativa de conduzir o mundo para o caminho do bem. Bem que era, obviamente, eles mesmos, deles mesmos, o bem da Ordem Americana. Eles tanto gostaram da situação quanto se iludiram em se ver como o centro do mundo. Acontece que o centro não se segura, já tinha dito o poeta W. B. Yeats no entre guerras. E nós ainda não temos um centro, acrescentou Kenneth Clark nos anos 70 com algum pessimismo, em seu famoso documentário sobre a civilização ocidental, sobre o “materialismo heroico” dessa civilização e sobre a falência intelectual e moral do marxismo, produto integral dessa civilização.[1] Assim íamos nos entendendo até que Bill, George e Barack foram alçados ao poder e acharam que não, sim, os Estados Unidos eram mesmo o centro do Universo. Do governo de Bill Clinton (1993-2001) até o de Barack Obama (2009-2017), passando pelo de George W. Bush (2001-2009), os Estados Unidos praticaram uma política externa de promoção da democracia e de regime change com vistas a fazer o mundo à sua imagem e semelhança, no exercício de todo o seu vigor imperial. Uma política bi-partidária unipolar. A descrição mais...

Ler mais

O Projeto (11)

De BRICS de RIIC de CIRUS de BRICUS ou BRICUSA   João E. da Silveira 07/08/2017   O acrônimo BRIC para Brasil-Rússia-Índia-China (mais tarde BRICS com o acréscimo da África do Sul) foi criado em 2001 pelo economista Jim O’Neil, chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs. A identificação do grupo foi feita para orientar investimentos mais lucrativos no mercado global. Note-se: economista britânico e grupo financeiro americano: note-se que a teoria dos BRICS não nasceu dos BRICS: note-se por último que a teoria não nasceu deles, mas fez sucesso entre eles ao longo duma década, até se reconhecerem e se formalizarem como grupo de atuação e de cooperação. A noção desse grupo tem, portanto, um fundo genuinamente capitalista de mercado e um fundo geopolítico. Outros acrônimos ou grupos de investimento criados por bancos e seus consultores financeiros: The Next 11 : Bangladesh, Egito, Indonésia, Iran, South Coreia, México, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Turquia e Vietnam. Criado em 2005, também pelo banco Goldman Sachs. CIVETS : Colômbia, Indonésia, Vietnam, Egito, Turquia e África do Sul. Fundo criado em 2011 pelo banco HSBC Global Asset Management, baseado em agrupamento proposto pela Economist Intelligence Unit em 2009. EAGLES (Emerging and Growth-Leading Economies): China, Índia, Brasil, Indonésia, Coreia do Sul, Rússia, México, Egito, Taiwan e Turquia. Grupo de 10 países criado pelo BBVA Research. MINT : México, Indonésia, Nigéria,...

Ler mais

US Sanctions

US SENATE STRIKES FOR RUSSIAN EQUALITY – THE OLIGARCHS TARGETED IN NEW SANCTIONS BILL   John Helmer Jul. 03, 2017     Not since the German government arranged for Vladimir Lenin to return to Russia, crossing German territory in a sealed train on April 16, 1917, has a foreign state at war with Russia done something as revolutionary as the US Senate did on June 15, 2017.  That is when, by a vote of 98 to 2, the senators  began the process of attacking the Russian oligarchs. They are the men who have dominated the Russian economy for more than twenty years, concentrating more national wealth in their  hands than can be found in any other major state in the world today. Unremarked by the senators themselves;  unreported by the American press;  and unnoticed, almost, in Russia, the new measure —  if adopted by the full Congress and signed into law by President Donald Trump —  will target the oligarchs’ lines of credit to international banks; the brokers,  repositories and clearinghouses of  their shares and bonds; their trade with the US and Europe; their US companies, bank accounts, boats on the high seas and homes abroad. If targeting the oligarchs is followed by formal sanctions, the aim will be to destroy their power at home and abroad. The Communist Party of the Russian Federation hasn’t contemplated this much. Senate...

Ler mais

O Projeto (7)

A Política e a Constituição Mista   João E. da Silveira 07/08/2017   A Constituição Mista não é teoria de militante político, mas a de um theorós;[1] é a teoria de um observador equidistante, de um assessor técnico equânime, de um cientista político clássico formado na leitura dos clássicos, de um jurisconsulto que conheça bem tanto das leis positivas quanto da física humana, de um filósofo que domine os jogos e truques da linguagem. A Constituição Mista é a teoria do estadista, i.e., daquele que alia conhecimento com experiência prática e prudência.[2] O militante é elementar. A teoria do militante é aquela das formas elementares, porque o militante tem que se definir, tem que dizer de que lado está. O militante é um monarquista ou um oligarca ou um aristocrata ou um democrata; modernamente falando é um capitalista, ou um corporativista, ou um socialista, ou um comunista. Hoje, aliás, quase ninguém se diz oligarca ou aristocrata ou monarquista; quase todos se dizem democratas, porque vivemos na era da confusão democrática,[3] a era das feitiçarias da Ordem Americana. Acontece que as formas elementares são instáveis na prática e precisam umas das outras para se definirem e se estabilizarem. As formar elementares são os termos de um campo semântico; para se entender a física de cada uma delas, tem-se que entender todo o campo. A estável Constituição Americana, por exemplo, é...

Ler mais

O Projeto (10)

A Civilização, a Guerra, os Negócios   João E. da Silveira 07/08/2017   Ao fim e ao cabo, a vontade política saudável tem a ver com a busca de civilização, e essa busca tem a ver com a acumulação de capital. A acumulação de capital, por sua vez, pode acontecer de várias maneiras: pela indústria, pelo roubo, pela conquista etc. Simplificando, a acumulação pode ser benigna ou maligna. A benigna é aquela que vem por meio dos negócios, da indústria, do doce comércio e do conhecimento científico; enquanto a maligna vem por meio da violência, da corrupção, das guerras e resulta muitas vezes na perda ou destruição de capital. A acumulação será tanto melhor quanto mais geral for. Sobre acumulação maligna, o caso mais exemplar e atual acha-se evidentemente nos EUA, a República Imperial de Raymond Aron, a Freedonia de Rufus T. Fireflys, a América superpotência indispensável de Barack Obama, que Gore Vidal chamou de Estados Unidos da Amnésia. Falando sério chistes à parte, existem mais de 800 bases militares espalhadas pelo Japão e Sudeste Asiático, Ásia central, Oriente Médio e Europa, África e Américas, tudo num cinturão de esforço para abraçar o mundo e ocupar o centro das atenções. Portanto, em matéria de poder e de força não se pode brincar com os Estados Unidos. Não se passa um dia sem que o POTUS (President Of The United...

Ler mais