Autor: João

Yuan

Russia issuing yuan-denominated bonds On the heels of the International Monetary Fund’s approval for the yuan, Russia said it’s preparing to raise $1 billion in yuan-denominated sovereign bonds in Moscow, the Financial Times reported Monday. Asia Times Dec. 07, 2015 Last week, the IMF made the yuan, also known as the renminbi, a world reserve currency by including it in its Special Drawing Rights basket. By integrating the yuan to the SDR, the IMF boosted the credibility of the currency and acknowledged it would be an accepted part of the global economic system. The latest move by Russia will aid the yuan’s international expansion and could lead to ruble-denominated bonds being issued in China and help promote similar cross-currency issuance by other big emerging markets, eating into the dominant role of the US dollar in global capital, said the FT. This isn’t just a diplomatic nicety by Russia, but an opportunity to do an end-around the sanctions imposed by the US and Europe. In September 2014, the US and EU imposed sanctions in response to Russia’s annexation of Crimea and its backing of separatists in eastern Ukraine. Since then many Russian companies have been barred from issuing foreign currency bonds in dollars or euros. The yuan-denominated bonds would potentially open a new source of foreign funding for Russian banks and businesses shut out of capital markets in the US...

Ler mais

PMDB & Impeachment (2)

Caro Senador, Ontem, em matéria da Folha, Dilma esperava “integral confiança de Temer”, ironicamente. O mais curioso: disse não ter sido informada da saída de Padilha e que ainda contava “‘com a presença dele no governo’”! Temer, em almoço com Alckmin, teria dito que se mantém distante do impeachment, “pois se envolver na questão não é o papel do vice”. Edinho Silva, em entrevista à Folha, disse que “‘não é perfil do Temer desembarcar do governo’”, outra frase curiosa, pois vice é vice, não é governo. Isso é o que estava na Folha ontem, suplementado pelo Estadão também de ontem, onde se informava que os ministros Henrique Alves (Turismo) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), pressionados por Cunha e peemedebistas pró impeachment, resistem deixar o governo. Mas ainda ontem, no Estadão, a agenda política seguia em marcha batida para o impeachment. Temer aparece como um exímio articulador, tendo já unido os tucanos Aécio, Alckmin, e Serra em apoio a seu eventual governo, enquanto mantém interlocução assídua com Lula, o que intriga até mesmo os petistas, mas não intriga O Antagonista, cujo raciocínio é o de que é melhor para o PT e para Lula se livrarem de Dilma. Por outro lado, as articulações de Temer são vistas como conspiração pelo Planalto, que redobra seus cuidados com o índice de fidelidade dos peemedebistas, a quem foram dados sete ministérios. ....

Ler mais

PMDB & Impeachment (2)

Mensagens para o Senador: PMDB & Impeachment (2) Caro Senador, Ontem, em matéria da Folha, Dilma esperava “integral confiança de Temer”. O mais curioso: disse não ter sido informada da saída de Padilha e que ainda contava “‘com a presença dele no governo’”! Temer, em almoço com Alckmin, teria dito que se mantém distante do impeachment, “pois se envolver na questão não é o papel do vice”. Edinho Silva, em entrevista à Folha, disse que “‘não é perfil do Temer desembarcar do governo’”, outra frase curiosa, pois vice é vice, não é governo. Isso é o que está na Folha ontem, suplementado pelo Estadão também de ontem, onde se informa que os ministros Henrique Alves (Turismo) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), pressionados por Cunha e peemedebistas pró impeachment, resistem deixar o governo. Ainda ontem no Estadão, a agenda política seguia em marcha batida para o impeachment. Temer aparece como um exímio articulador, tendo já unido os tucanos Aécio, Alckmin, e Serra em apoio a seu eventual governo, enquanto mantém interlocução assídua com Lula, o que intriga até mesmo os petistas. As articulações de Temer são vistas como conspiração pelo Planalto, que redobra seus cuidados com o índice de fidelidade dos peemedebistas, a quem foram dados sete ministérios. . . A lógica irônica predominante no Palácio e expressa por Jacques Wagner em diálogo com a presidente Dilma é a...

Ler mais

Economistas Antagônicos

Caro Senador, Bresser Pereira é contra o impeachment. Para ele, o impeachment é manobra de Cunha, é “chantagem” e já nasce morto . . . Acha que depois, Dilma vai poder governar tranquilamente . . . O Brasil é um país capitalista e a democracia está consolidada . . . A crise nasce da baixa popularidade da presidente e da irresponsabilidade da oposição . . . O impeachment é uma ameaça para a democracia . . . O mercado já fez o ajuste cambial (a R$ 3,80) e as empresas competentes são agora competitivas . . . E a recuperação virá no segundo semestre do ano que vem. (Ver original). Luiz Carlos Mendonça de Barros vê a situação de forma diferente: a sociedade quer o impeachment e a crise econômica se agrava . . . Vivemos o fim de uma hegemonia política, que criou um vácuo na oposição, coisa que a gente do mercado nunca viu . . . A solução está criação de nova hegemonia mais à direita, mais de mercado . . . PMDB + PSDB . . . A situação não é desesperadora, mas todos esperam uma troca de comando . . . O que se fez com Itamar Franco e Fernando Henrique pode-se repetir com Michel Temer e Aécio Neves . . . Com que governabilidade Dilma reagiria? (Ver original). Abr.,...

Ler mais

PMDB & Impeachment (1)

Caro Senador, Deverá ser elaborado um painel com os nomes dos parlamentares favoráveis e contrários à abertura do processo de impeachment. Leonardo Picciani, líder do PMDB na CD, é contrário. O Governo é pela convocação do Congresso no recesso. A oposição é contra a convocação. A oposição poderá ser a favor, todavia, caso a convocação seja para votar as pedaladas de 2014, mas não para votar o impeachment. Renan Calheiros parece contrário à convocação do Congresso. Renan visitou o Jaburu logo depois que Cunha deflagrou o processo de impeachment. São sinais sugestivos de que Renan seja favorável ao impeachment. Mas há dúvidas. . . Renan entorta! O PMDB move-se muito timidamente, ou move nos dois sentidos, pró e contra. Há rumores de que na escolha dos oito membros que comporá a bancada do partido no Conselho quatro serão favoráveis ao impeachment e quatro serão contra. Partido dividido. Mesmo neste momento de crise tão aguda, o PMDB mostra-se incapaz de assumir uma posição clara na resolução dela. É um partido de líderes frouxos e quadros oportunistas, quando não comprometidos com o que há de mais nefasto na política brasileira. Não há mais lideranças fortes, como Ulysses e Quércia, capazes de assumir posições claras pelo que viam como o bem da Nação. Temer é um líder frouxo. Renan e Cunha, os dois pilares centrais do poder partidário, nem falam no bem...

Ler mais