Autor: João

Operação Lava Jato é pior que a ditadura, diz advogado

Zulmair Rocha – 30.jan.2013/UOL O advogado Técio Lins e Silva durante julgamento em 2013, no Rio MARIO CESAR CARVALHO DE SÃO PAULO 16/01/2016  02h00   O advogado Técio Lins e Silva, um dos signatários da carta que compara a Operação Lava Jato com a Inquisição, diz que o comportamento do juiz Sergio Moro no caso é pior do que na ditadura militar. “Estou falando de uma arbitrariedade como nunca se viu no Brasil, nem na ditadura”, disse. Aos 70 anos, Lins e Silva foi um dos mais célebres advogados a defender presos políticos na ditadura militar. Agora atua na defesa de um ex-diretor da Odebrecht, Alexandrino de Alencar. Em entrevista à Folha, ele critica o juiz Sergio Moro, responsável pela operação, os procuradores e a imprensa. * Folha – Por que publicar um manifesto contra a Lava Jato quando a operação está prestes a completar dois anos? Técio Lins e Silva – Porque tudo tem um limite. O copo vai enchendo, como a paciência vai enchendo, e tem uma gota d’água. Estou falando de uma arbitrariedade como nunca se viu no Brasil, nem na ditadura. Advoguei de 1965 a 1985 intensamente na Justiça Militar, na fase mais dura dos anos de chumbo, quando não havia habeas corpus e o preso ficava incomunicável. Tenho autoridade para comparar as coisas. Por que a Lava Jato seria pior do que a ditadura? Há uma questão inimaginável, que...

Ler mais

Para juízes, carta de advogados é “mero falatório”

POR FREDERICO VASCONCELOS 15/01/2016  18:20 A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nota pública em que rebate a “Carta Aberta” publicada nesta sexta-feira (15) por renomados advogados contra a Lava Jato. “Os magistrados não sucumbirão àqueles que usam o Direito e Justiça para perpetuar impunidades sob o manto do sagrado direito de defesa”, diz o texto assinado pelo presidente da entidade, Antônio César Bochenek. Segundo a Ajufe, “a Justiça Federal realiza um trabalho imparcial e exemplar, sem dar tratamento privilegiado a réus que dispõem dos recursos necessários para contratar os advogados mais renomados do país”. “Aqueles que não podem comprovar seu ponto de vista pela via do Direito só têm uma opção: atirar ilações contra a lisura do processo. Fazem isso em uma tentativa vã de forjar na opinião pública a impressão de que a prisão é pena excessiva para quem desviou mais de R$ 2 bilhões, montante já recuperado pela Operação Lava Jato.” A manifestação dos advogados –segundo a entidade– “é mero falatório, fumaça, que não gera benefício nem para o cliente pretensamente protegido”. Eis a íntegra da manifestação: *** Nota Pública sobre a Operação Lava Jato Diante do manifesto de advogados da Operação Lava Jato com críticas à atuação do juiz Sérgio Moro, a Ajufe esclarece: A quebra de um paradigma vigente na sociedade nunca vem desacompanhada de manifestações de resistência. Gritam e esperneiam alguns operadores...

Ler mais

PSDB ‘não deve mergulhar na ideia do impeachment’, diz fundador da sigla

Bruno Poletti – 3.mar.2015/Folhapress Fundador do PSDB e coordenador de Aécio em 2014, Arnaldo Madeira é contra impeachment BELA MEGALE DE SÃO PAULO 14/01/2016  17h00   Fundador do PSDB, líder do governo na Câmara por mais de quatro anos na gestão de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e um dos coordenadores da campanha de Aécio Neves para a Presidência em 2014, o ex-deputado Arnaldo Madeira, 75, diz que não vê razões que justifiquem o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Em entrevista à Folha, Madeira criticou a postura dos tucanos na condução processo, afirmando que a legenda ficou “a reboque” do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) Também disse que o Brasil não tem um líder político capaz de tirar o país da crise: “Não há liderança que toque o país, nem no PSDB, e os partidos se tornaram cartórios de registro de candidatura.” * Folha – Por que o sr. é contra o impeachment? Arnaldo Madeira – O impeachment é uma demanda de uma parcela da sociedade. Um impeachment é algo muito forte, um abalo na estrutura política do país. Eu não vi a sociedade mobilizada pró-impeachment como vi na época do (ex-presidente) Fernando Collor. Mas o cenário é muito instável, pode aparecer de qualquer lado no momento em que a gente menos espera. Qual deve ser a postura do PSDB nesse processo? O partido deve acompanhar, não se posicionar contra, mas também...

Ler mais

Por que Lula não é investigado?

 15/01/2016  02h00 Todos os caminhos da Operação Lava Jato levam a Lula e, por alguma razão que se perde nas brumas das apurações, ninguém é capaz de explicar, o Ministério Público Federal tampouco, por que o ex-demiurgo, convertido em verdugo da institucionalidade, não é um investigado. Ou, vá lá, para ser preciso: existe uma apuração na Procuradoria da República em Brasília para saber se ele praticou tráfico de influência em favor da Odebrecht. Dada a, digamos, onipresença do Babalorixá de Banânia nessa história, é café pequeno. Suspeito que, fosse outra empreiteira, nem isso haveria. Dois delatores, cujas confissões já receberam a devida chancela do STF, atestam a interferência do ex-presidente no que acabou se constituindo em mais um empréstimo fraudulento ao PT. Refiro-me a Nestor Cerveró e a Fernando Baiano. José Carlos Bumlai, o empresário que serviu para lavar a operação, confirma a sua condição de laranja. O próprio emprestador, o grupo Schahin, revela que dispensou o PT do pagamento da dívida quando conseguiu um contrato de US$ 1,6 bilhão para operar um navio-sonda da Petrobras. Dito de outro modo: o empréstimo foi pago, na prática, pela estatal. Cerveró confessa: ganhou de presente, de Lula, um cargo na BR Distribuidora por ter viabilizado o acordo do Schahin com a Petrobras. Baiano confirma. E, no entanto, lá vai todo pimpão o inimputável da República. Vai ver isso decorre daquela maioria excêntrica formada no...

Ler mais

China and Russia Lead Gold Buying Spree

Cecilia Jamasmie  (Mining.com)  15.Jan.2016 Originally appeared: Mining.com China and Russia added more gold to its reserves in November, leading the latest global central banks buying spree that saw them adding 55 tonnes of the yellow metal to their coffers, up almost 90% from the prior month. According to the latest World Gold Council’s gold reserve data, released Wednesday, China and Russia were once again the biggest buyers, with 21 tonnes and 22 tonnes added to their respective reserves. The People’s Bank of China (PBoC) released data last week that showed 19 tonnes were added in December as well. But based on official figures, released last June for the first time since April 2009 and updated monthly ever since, the amount of gold held by the PBOC still only accounts for around 1.7% of its total reserves. The increased purchases by the world’s sixth largest official sector gold holder could lend support to international prices of the precious metal, say analysts. The Top Gold Hoaders Despite a jump in prices at the start of the year, gold is still trading close to historic lows. February gold was last up $3.00 at $1,088.50 an ounce, well down from last week’s two-month high of $1,113.10 an ounce, basis February Comex futures. Bullion prices dropped 10% last year, a third straight annual loss, on fears that higher U.S. rates would dent demand for the non-interest-paying metal. Several...

Ler mais