Autor: João

Populismo desgastou esquerda latino-americana, diz pesquisador britânico

Arquivo Pessoal O brasilianista britânico Kenneth Maxwell SYLVIA COLOMBO DE SÃO PAULO 10/01/2016  02h00 Para o brasilianista britânico Kenneth Maxwell, o Brasil falhou ao tentar buscar um papel internacional efetivo nos últimos anos, e agora sofre as consequências de uma crise internacional sobre a qual não tem controle. Fundador do programa de estudos brasileiros da universidade de Harvard e autor de “A Devassa da Devassa – A Inconfidência Mineira: Brasil e Portugal 1750-1808”, Maxwell considera que o desgaste de governos latino-americanos há muito tempo no poder tem menos a ver com o fato de serem de esquerda, e mais por conta de suas “políticas populistas”. Leia, abaixo, os principais trechos da entrevista, realizada por e-mail. * Folha – Qual sua opinião sobre as investigações sobre corrupção no Brasil? Kenneth Maxwell – É certamente sem precedentes para o Brasil que tantos políticos, banqueiros e empresários estejam sendo responsabilizados. E, de maneira mais significativa, sendo presos, e em alguns casos considerados culpados e sentenciados. O papel agressivo dos promotores e juízes no Brasil é algo novo e, certamente, um sinal de maturidade institucional. Mas a investigação dos crimes, particularmente envolvendo a lavagem de dinheiro ou o ocultamento de ganhos ilícitos no exterior, é algo que está hoje em dia com mais presença no foco internacional, e o setor bancário internacional tem sido forçado a se transformar em algo muito mais transparente desde a...

Ler mais

Judeus e palestinos fazem beijaço contra proibição de livro em Israel

POR DIOGO BERCITO Em 31 de dezembro, as autoridades israelenses proibiram a adoção do livro “Uma Barreira Viva” na grade curricular do ensino médio. A obra, escrita por Dorit Rabinyan, retrata o amor entre uma mulher judia e um homem palestino. O governo de Binyamin Netanyahu considerou o texto inadequado aos jovens. A medida foi recebida com desagrado, dentro e fora de Israel. Não é, ademais, a primeira representação de uma relação amorosa entre judeus e palestinos. Eytan Fox filmou o amor entre dois homens, um judeu e o outro palestino, em 2002 (conversei sobre isso com ele em...

Ler mais

Accept the Uncomfortable Truth: It’s Time to Support Assad

  By JAY HALLEN January 7, 2016 4:00 AM   As the Syrian civil war and refugee crisis metastasize, we need a new approach for these unfolding human tragedies. To date, the Obama administration has mostly sat on the sidelines, in part because of war fatigue, but mostly because in the crowded mix of factions fighting in Syria, there are no good actors to support. After the Pentagon’s embarrassing admission that $500 million put only “four or five” Syrian opposition fighters on the ground, it is clear that it’s fantasy to think we can find reliable Syrian allies who are both anti-ISIS and anti-Assad — which is the official policy of the administration and most leading presidential candidates. It would require threading a needle that is impossibly thin, with the assumption that we could vet and then arm rebels who might claim loyalty to the U.S. one day, but who resort to sectarian and tribal vendettas the next. And even in the event that we did find such a group and it assumed control, we’d still have a long way to go before consolidating power and making the transition to relative peace. But the gravity of the Syria crisis is such that we no longer have the luxury of holding out for a solution that is ideologically appealing. Realpolitik is the only option. Throwing U.S. support behind President Bashar...

Ler mais

Entrevista a Sean Penn ajudou a colocar ‘El Chapo’ de volta na cadeia

Chefe do cartel de Sinaloa manteve encontros secretos com o ator americano para relato publicado na ‘Rolling Stone’, dando, assim, uma ajudinha para as autoridades mexicanas 10/01/2016 às 08:39 – Atualizado em 10/01/2016 às 08:39 Narcotraficante Joaquín “El Chapo” Guzmán é escoltado em um helicóptero no aeroporto da Cidade do México após ser recapturado durante uma operação militar em Los Mochis, no estado mexicano de Sinaloa – 08/01/2016(Alfredo Estrella/AFP)   A vaidade do traficante mexicano Joaquín “El Chapo” Guzmán, que foi recapturado na sexta-feira em Sinaloa, cidade onde ele fundou um dos maiores e mais violentos cartéis de drogas do planeta, pode ter contribuído para que ele fosse encontrado pelas autoridades mexicanas. O criminoso chegou a conceder uma entrevista ao ator americano Sean Penn para a revista Rolling Stone – e o relato ajudou a polícia a capturá-lo, afirma o governo do México. Agora, “El Chapo” deve ser extraditado para os Estados Unidos. Em artigo publicado no fim do sábado na revista Rolling Stone, Penn relembrou um longo encontro com Guzmán, que havia escapado em julho de uma prisão de segurança máxima mexicana pela segunda vez em 14 anos. Guzmán, conhecido como “El Chapo”, ou “Baixinho”, queria que sua história se tornasse tema de um filme, conta o ator. O encontro foi intermediado pela estrela do cinema mexicano Kate del Castillo, segundo o artigo de Penn. Kate, que atuou como uma líder do narcotráfico na...

Ler mais

Sean Penn Secretly Interviewed ‘El Chapo,’ Mexican Drug Lord

By RAVI SOMAIYA JAN. 9, 2016 The actor Sean Penn, left, and the drug lord Joaquín Guzmán Loera in a photo taken for interview authentication purposes. CreditRolling Stone   Joaquín Guzmán Loera, the Mexican drug lord known as El Chapo, started out in business not long after turning 6, selling oranges and soft drinks. By 15, he said in an interview conducted in a jungle clearing by the actor and director Sean Penn for Rolling Stone magazine, he had begun to grow marijuana and poppies because there was no other way for his impoverished family to survive. Now, unapologetically, he said: “I supply more heroin, methamphetamine, cocaine and marijuana than anybody else in the world. I have a fleet of submarines, airplanes, trucks and boats.” Though his fortune, estimated at $1 billion, has come with a trail of blood, he does not consider himself a violent man. “Look, all I do is defend myself, nothing more,” he told Mr. Penn. “But do I start trouble? Never.” The seven hours Mr. Guzmán spent with Mr. Penn, and the follow-up interviews by phone and video — which began in October while he was on the run — marked another surreal turn in his long-running effort to evade the Mexican and American authorities. Mr. Guzmán, one of the world’s most wanted fugitives, who had twice escaped jail, was captured in his home state of Sinaloa in...

Ler mais